1970-1980: Furos da rádio

Separadores primários


100 ANOS DE RADIODIFUSÃO


1970-1980: Furos da rádio


  • 1. É previsível:
  • As emissoras de AM, as do "Top 40", começam a década com os olhos nas audiências. A pesar da sua programação aborrecida e da falta de qualidade de áudio, mais de 50% das pessoas, em todo o mundo, ouve as emissoras de AM. No entanto estas sabem que é uma questão de tempo e que, mesmo com alguns recursos técnicos como o AM de banda larga e o estéreo, não é possível competir com o FM que está perfeitamente consolidado no fim da década.

  • 2. A rádio ganha muito dinheiro:
  • Inicialmente eram as estações de AM, agora são as de FM que fazem muito dinheiro. Há abundância de ouvintes, os tempos correm bem, há trabalho e dinheiro.

    Os publicitários já não querem pagar por 20 ou 30 segundos de publicidade. Agora querem comprar as próprias rádios.

  • 3. Fragmentação de formatos:
  • Já não existem apenas dois formatos, o "Top 40" para as estações de AM e o "Rock progressivo" para as de FM. Agora há o "Soft rock", "Classic rock", "New rock", "Old rock", "Soul", "New age", "Latina", "Disco", etc. Cada estação cobre apenas um pequeno segmento das audiências.

  • 2. Retorno das redes:
  • Com o embaratecimento da tecnologia de satélite e a sua disponibilidade a cada estação, nascem e morrem centenas de cadeias de rádio, oferecendo os mesmos formatos de música tocados pelos "Dj's" das grandes cidades.

    As pequenas estações de rádio automatizam as suas emissões, tornando-as mais impessoais, não cativando o ouvinte e afastando os patrocinadores.



Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.