Plantão desportivo - Pg10

Separadores primários


PLANTÃO DESPORTIVO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL



FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO

DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO
BIB 02418 - Projeto Experimental em Jornalismo I – Monografia

O PLANTÃO ESPORTIVO COMO MEIO COMPLEXO DE INFORMAÇÃO

página 10 de 10

Quadro 12:

 

 

CAMPEONATOS

09/05/99

16/05/99

23/05/99

30/05/99

06/06/99

ESPANHOL

10

10

10

10

-

ITALIANO

9

9

9

-

-

PORTUGUÊS

9

9

9

9

-

INGLÊS

10

10

-

-

-

FRANCÊS

9

9

9

8

-

HOLANDÊS

9

9

8

-

-

ALEMÃO

9

9

9

9

-

ARGENTINO

10

10

10

10

10

URUGUAIO

7

7

7

7

7

EUROCOPA 2000

-

-

-

-

21

TOTAL

82

82

71

53

38

Fonte: Rádio Gaúcha

Quadro 13:

 

09/05/99

16/05/99

23/05/99

30/05/99

06/06/99

TOTAL DE JOGOS ACOMPANHADOS PELO PLANTÃO ESPORTIVO

175

168

160

145

114

Fonte: Rádio Gaúcha

Analisando o material coletado no período é possível verificar que a quantidade de partidas de futebol acompanhadas é extensa, numa média de 152,4 jogos por dia de trabalho. A redução da média final se comparado com os números das quatro primeiras semanas, se deve ao fato de que os campeonatos europeus terminaram no final do mês de maio, restando para o acompanhamento os jogos das Eliminatórias da Eurocopa 2000 no dia 06 de junho, além dos campeonatos sul-americanos (argentino e uruguaio). Mesmo assim, em termos de cobertura jornalística, a atuação do plantão se apresenta como uma tarefa complexa. São centenas de pontos de atração espalhados pelo mundo e que precisam ser atingidos. Em todas os dias em que o levantamento foi realizado, a cobertura obteve êxito com total agilidade e precisão. A informação transita, em todos os sentidos, vindo dos lugares mais distantes e também sendo difundida em todas as direções.

CONCLUSÃO

O objetivo fundamental das mensagens informativas emitidas pelo rádio é trazer aos ouvintes tudo o que de interessante e atual acontece em todas as partes do mundo. Dessa forma, a informação originária do rádio aparece como algo maleável. Informar nada mais é do que tornar público mensagens atuais nos diferentes meios de comunicação. As notícias trazidas pelo plantão esportivo são transmitidas aos receptores através de um simples relato a partir de sua essência. Com base na análise realizada por FAUS BELAU (1973:211), quando este apresenta os cinco níveis de informação no rádio, as notícias são citadas pelo plantão esportivo em toda a sua vasta quantidade, como de primeiro nível, ou seja,

"a notícia emitida assim que se tenha conhecimento da ocorrência do fato (...) Trata-se de uma emissão sem periodicidade fixa, ocasional que começa a termina em si mesma (...) Intensa, nesse caso dar a conhecer a notícia com a máxima rapidez possível."

Através da pesquisa, pode-se verificar que o trabalho de plantão esportivo é anterior ao da narração das partidas de futebol diretamente dos estádios, pois na pré-história do radiojornalismo esportivo, as informações das partidas de futebol em andamento eram coletadas no final do jogo e informadas aos ouvintes pelos locutores da rádio. A primeira rádio a fazer essa coleta sistemática dos dados foi a Panamericana em São Paulo em 1948. Antes o narrador fazia tudo sozinho. Hoje, ele conta com outros profissionais na qualificação de uma jornada esportiva. Nesse contexto, se verifica a importância do trabalho do plantão esportivo, desde o início da instituição da função, passando pelo momento em que a tarefa chega ao seu auge, com o grande sucesso que a Loteria Esportiva teve no Brasil, até o momento em que a carga informativa conta com a ajuda da informática. A agilidade do rádio esportivo na utilização de novas tecnologias e técnicas foi fundamental para o desenvolvimento da radiodifusão. O esporte foi um dos primeiros segmentos a se firmar e, até hoje, continua ocupando grande espaço nas maiores emissoras do Brasil.

Vale ressaltar, sobre o surgimento do plantão esportivo, que a função propriamente dita foi personificada na década de 60, em Porto Alegre, na Rádio Difusora, através do plantão esportivo Antônio Augusto, que introduziu as curiosidades ligadas as informações, além de sistematizar o arquivamento, servindo mais tarde de referência para outros profissionais. É possível verificar que em termos de coleta de dados, os avanços tecnológicos permitiram uma maior agilidade e uma ampliação da área geográfica atingida pelos meios que permitem ao plantão o acesso a informação. Nesse sentido, a utilização contínua da Internet em todas as suas potencialidades tende a substituir outras formas de coleta de dados, como de rádios de ondas curtas, através de rádios que transmitem pela rede mundial de computadores.

Este estudo tem a pretensão de sugerir a instituição de um completo plano de escuta, com o objetivo de realizar a cobertura esportiva sem deixar passar qualquer informação. Através de todas as fontes que abastecem o trabalho do plantão, o plano de escuta visa permitir uma divisão das tarefas entre toda a equipe de retaguarda e uma organização para atingir todos os pontos onde a busca pelo gol deve acontecer.

É possível concluir também que em termos de quantidade de informações coletadas, o trabalho realizado pelo plantão esportivo em rádio é muito complexo, pois, em média, em cada um dos dias do levantamento foi preciso buscar informações em mais de 150 pontos diferentes com fins de finalizar a cobertura de todos os principais eventos esportivos, especificamente futebol, pelo mundo. Informações também de outros esportes, como vôlei, basquete, automobilismo e tênis, também receberam a atenção do plantão, mas não tiveram os dados computados no índice total de informações passadas ao ouvinte, o que aumentaria o índice de cobertura. O plantão esportivo é o segmento em uma transmissão esportiva que disponibiliza o maior número de informações, além de ser um link na jornada esportiva com tudo o que acontece no mundo. Reunir dados que incluem números, tabelas, nomes e endereços, um verdadeiro quebra-cabeças, se constitui um exercício complexo. Quando este trabalho se destina a informação, clara, precisa e atraente para o ouvinte de rádio, passa a ser um desafio. Assim, se pode resumir o plantão esportivo como um meio complexo de informação através do rádio. Ao longo desta pesquisa, que resultou nessa monografia, foram realizadas entrevistas, consultas aos mais variados autores e observação prática no rádio. Isto resultou em um estudo sobre a história do rádio no Rio Grande do Sul, que foi sem dúvida, um desafio porque existe pouca bibliografia. Por fim, esse trabalho não tem por objetivo ser definitivo em termos de informações obtidas, mas deve servir de incentivo para futuras pesquisas a respeito do rádio esportivo, principalmente no Rio Grande do Sul, além de destacar o trabalho realizado pelos homens de retaguarda.

BIBLIOGRAFIA

ALBUQUERQUE, Otto. No Ar a Luz que Fala. Porto Alegre, FEPLAN, 1985.

CHANTLER, Paul e HARRIS, Sim. Radiojornalismo. São Paulo, Summus, 1998.

COIRO, José e GRABAUSKA, Cléber. Sala de Redação – A Divina Comédia

Futebol. Porto Alegre, LP&M, 1998.

COSTELLA, Antônio. Comunicação – do Grito ao Satélite. São Paulo,

Mantiqueira, 1978.

DAMSKI, José Carlos e VALENTE, André. Internet – Guia do Usuário

Brasileiro. São Paulo, Makron Books, 1995.

DILLENBURG, Sérgio Roberto. Os Anos Dourados do Rádio em Porto Alegre.

Porto Alegre, FEPLAN / RBS, 1979.

FAUS BELAU, Angel. La Radio: Introducción al Estudio de um medio

desconecido. Madrid, Guadiana, 1973.

FEDERICO, Maria Elvira Bonavita. História da Comunicação: Rádio e televisão

no Brasil. Rio de janeiro, Vozes, 1982.

FELICE, Mauro de. Jornalismo de Rádio. Brasília, Thesaurus, 1981.

FERRARETTO, Luis Artur. O Novo Rádio Pós-Fordista. In: Tendências da

Comunicação. Porto Alegre, RBS e LP&M Editores, 1998.

FIORIN, Flávio Schaefer. O Futebol nas Ondas da Rádio Gaúcha. São

Leopoldo, 1994 (Monografia da Conclusão de Curso)

GOLDFEDER, Miriam. Por Trás das Ondas da Rádio Nacional. Rio de Janeiro,

Paz e Terra, 1980.

HAUSSEN, Doris Fagundes. Rádios e Política: Tempos de Vargas e Peron.

Porto Alegre, EDIPUCRS, 1997.

KLÖCKNER, Luciano. A Notícia na Rádio Gaúcha – Orientações Básicas

Sobre Texto, Reportagem e Produção. Porto Alegre, Sulina, 1997.

LOPES, Saint-Clais da Cunha. Comunicação e Radiodifusão Hoje. Rio de

Janeiro, Temário, 1970.

André Casquel. Aspecto da Teleradiodifusão Brasileira. São Paulo,

ECA/USP, 1972. (Doutoramento)

MATHEUS, Roberto Ruiz da Rosa. Edgard Roquette Pinto – Aspectos

Marcantes de sua Vida e Obra. Brasília, MEC, 1984.

MENDES, Edith Gabus, Otávio Gabus Mendes: do Rádio à Televisão. São

Paulo, Lua Nova, 1988.

MURCE, Renato. Bastidores do Rádio – Fragmentos do Rádio de Ontem e de

Hoje. Rio de Janeiro, IMAGO, 1976.

ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A Informação no Rádio – Os Grupos de Poder

e a Determinação dos Conteúdos. São Paulo, Summus, 1984.

RÁDIO ITATIAIA. Manual de Jornalismo em Rádio. Belo Horizonte, Armazém

de Idéias, 1998.

SOARES, Edileuza. A Bola no Ar – O Rádio Esportivo em São Paulo. São

Paulo, Summus, 1994

TOTA, Antônio Pedro. A Locomotiva no Ar – Rádio e Modernidade em São

Paulo. São Paulo, PW Gráficos e Editores e Secretaria da Cultura do Estado

de São Paulo, 1990.

VAMPRÉ, Octávio Augusto. Raízes e Evolução do Rádio e da Televisão. Porto

Alegre, FEPLAN /RBS, 1979.

VIGIL, José Ignácio López. Manual Urgente Para Radialistas Apascionados.

Quito, CIESPAL, 1998.



Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.