Calibrar um receptor de rádio

Separadores primários


CALIBRAR UM RECEPTOR DE RÁDIO


Com o passar do tempo os receptores de rádio vão perdendo sensibilidade e alterando os limites das bandas de recepção.

Isto é devido à alteração da capacidade dos vários condensadores do estágio de RF, envelhecimento das válvulas e alteração dos valores das resistências, principalmente, as de valor elevado.

Um dos trabalhos de restauro passa pela calibração ou alinhamento de forma a melhorar a sensibilidade, selectividade e diminuir o ruído.

Trata-se de um trabalho meticuloso, que deve ser feito com paciência e muito cuidado uma vez que se se partir um núcleo de uma bobina de RF ou alguma das que estão dentro dos “canecos” de FI a sua recuperação será muito difícil.

Era habitual cobrir os núcleos de ferrite com cera ou lacre para evitar que estes se descolassem com a trepidação. Com o tempo esse material fica muito duro tornando difícil e arriscado o processo de libertação dos núcleos.

Antes de iniciar o alinhamento do receptor deve levar em consideração se vale mesmo a pena arriscar. Se o rádio tem recepção razoável, e não pretendendo que ele fique como novo, talvez não valha a pena efectuar essa tarefa. Poderá restringir o seu trabalho ao retoque dos “trimmers” de ajuste da antena e do oscilador local.


Ferramenta necessária:


  • Chaves de “Trimmers”

  • Estas chaves de fenda são especiais porque não podem ser metálicas uma vez que a proximidade deste com a mão altera o campo magnético das bobinas. Existem chaves próprias feitas em material derivado do plástico, altamente isolante. À falta destas chaves pode construí-las usando as pontas de prova utilizadas nos multímetros, afiando a ponteira de forma que fique uma fenda bastante aguçada.

  • Gerador de “RF”

  • Antes de utilizar este aparelho, sugere-se a leitura do artigo publicado na área “Como usar”

  • Multímetro

  • Antes de utilizar este aparelho, sugere-se também a leitura do artigo na área “Como usar”

  • Esquema do aparelho
  • (Se possível)



Ajuste da frequência intermédia (FI):


Antes de proceder ao ajuste deste andar tem de verificar primeiro qual a frequência indicada pelo fabricante para a calibração da FI. Em regra está no esquema do receptor, mas, há falta deste, pode procurar na tampa ou no chassis. Geralmente situa-se nos 455KHz embora em receptores muito antigos ele possa ser um pouco superior a este valor.


  1. Ligue o gerador de RF na grelha de controlo da válvula conversora tendo o cuidado de colocar o condensador variável (de sintonia) totalmente aberto.

  2. Ligue um multímetro à saída do altifalante ajustando-o para uma escala AC de valor muito baixo. Se, durante a calibração, não conseguir obter um desvio perceptível da agulha, pode, em alternativa, ligar o multímetro através de um condensador de 0,01mF à placa da válvula de saída de áudio ajustando para uma escala de corrente alterna (AC) conveniente.

  3. Ajuste o gerador de RF para o valor da FI, ex: 455KHz e ajuste o nível de saída para obter algum som no altifalante e um desvio perceptível no multímetro. Use apenas o nível de sinal absolutamente necessário para não correr o risco de activar o “CAG” (Controlo Automático de Ganho) tornando assim o ajuste errático.

  4. Ajuste cuidadosamente os trimmers ou bobinas situadas nos “canecos” de FI até obter o máximo de sinal/tensão à saída do altifalante. Se, ao ligar o gerador à grelha de controlo da válvula conversora, não escutar sinal nenhum pode ser indicação que o valor da FI não se encontra na frequência preconizada pelo fabricante. Neste caso experimente variar um pouco a frequência do gerador até ouvir algum sinal. Depois basta regular a FI ao mesmo tempo que se leva o gerador para a frequência correcta.


Ajuste do estágio de RF:


(Como exemplo indica-se o ajuste para a banda de ondas médias (MW). Para outras bandas deve usar o mesmo procedimento)


  1. Ligue o gerador de RF na entrada da antena e comute o receptor para a banda de onda média (MW).

  2. Ligue um multímetro à saída do altifalante tal como se explicou para o ajuste da FI.

  3. Sintonize o gerador e o receptor para uma frequência um pouco acima do limite inicial da banda, ex: 600KHz. (A banda de MW vai de 550 a 1620HKz).

  4. Localize e ajuste o “padder” de antena para a maior intensidade de sinal. Este “Padder” de ajuste situa-se muitas vezes no próprio condensador variável, na secção de antena. Nos receptores muito antigos distingue-se dos outros pelas suas dimensões francamente maiores do que as dos “Trimmers” de ajuste do oscilador.

  5. Sintonize o gerador e o receptor para uma frequência em torno dos 1300KHz.

  6. Localize e ajuste o “Trimmer” do oscilador local até ouvir o sinal do gerador de RF na frequência inscrita no dial.
  7. Se não for fácil ler no dial a frequência de 1300KHz escolha outra próxima desta e que seja de melhor leitura. Se o receptor tiver mais de uma banda pode descobrir qual o “Trimmer” de ajuste do oscilador local correspondente à onda média por tentativas.
  8. Repita novamente primeiro os pontos 3 e 4 e a seguir os pontos 5 e 6 uma vez que existe alguma interacção entre os dois ajustes.

Notas finais:
Se o receptor tiver “olho mágico” pode dispensar o multímetro para avaliar o nível de sinal. Certifique-se, no entanto, que este esteja a funcionar correctamente.

Com o tempo o ponteiro tem tendência para “escorregar” no fio do quadrante. Antes de calibrar a frequência do oscilador local, deve verificar se o início e o fim do dial estão assinalados correctamente pelo ponteiro.

A saída de RF do gerador de sinais deve ser modulada em amplitude por um sinal de BF de 1KHz, tendo o cuidado de usar apenas o nível de sinal necessário para se ouvir e fazer desviar a agulha do multímetro.

Para este tipo de ajustes o multímetro analógico é preferível ao digital.




Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.