REGA Planar 2 - A vitória da simplicidade

Separadores primários


O REGA Planar 2 - A vitória da simplicidade


Foto do Rega Planar 2


A Rega foi fundada no mesmo ano em que saiu o LINN LP12, ou seja em 1973. O primeiro gira-discos chamava-se Planet e era uma espécie de protótipo dos modelos futuros.

Em 1975 a marca apresenta o Planar 2, um novo ícone Inglês acabava de nascer, vamos perceber porquê.


Panorama


Em 1975 o Garrard 401 ainda é produzido (e será até 1977), o LP12 é aclamado pela imprensa e vende-se muito bem, mas o mundo do HI-FI já não é o mesmo.

Desde o início da década, o HI-FI Japonês entrou em massa no mercado ocidental. Os preços são mais baixos, e a qualidade visível é superior à dos aparelhos ocidentais.

Os novos construtores têm de ser engenhosos para conciliar qualidade, estética e baixo preço (ainda hoje esse problema existe).

Tony RElph e Roy GAndy compreenderam, que havia lugar para um produto de qualidade, simples, bonito, original e soando bem. O Tony Relph, simplificou tudo o que era possível num gira-discos, e o resultado é um novo aparelho, de um novo tipo, o REGA Planar 2.


Outra foto do Rega Planar 2



O REGA Planar 2 - Apresentação


O Planar 2 é uma prancha de madeira, com um motor, um prato de vidro e um braço. Há também três pés e um interruptor.

Visto assim ninguém compreende o porquê desta análise. Mas o REGA é muito mais que isso no detalhe. A prancha é feita de uma espécie de aglomerado de madeira, lacado nas duas faces com uma folha de resina fenólica (do tipo fórmica) muito dura e resistente. Esta técnica possibilita à prancha (corpo) ter uma grande rigidez e uma boa resistência à torção por um preço baixo.

Visto que o critério preço/simplicidade não permite suspender o gira-discos, o Tony Relph opta por suspender o motor! E de uma maneira genial, pois vai utilizar uma correia idêntica à do gira-discos para sustentar elasticamente o motor. Simples, eficaz, barato e engenhoso.

O eixo industrial é de uma precisão média, mas a qualidade do prato é boa. Não existe nenhuma peça mecânica visível e solta, para além da chumaceira e a polia do motor. O prato em vidro de 8/10mm (fácil de fabricar e liso naturalmente) apoia num sub prato em plástico nervurado que amortece as ressonâncias do vidro.

Um tapete de feltro impede o contacto directo do vidro com os discos. Mas um detalhe salta aos olhos de toda a gente, é o braço. Muito bem fabricado para um gira-discos tão simples e modesto de aparência (o braço de precisão RB200 é fabricado no Japão pela Jelco).

Isto é a assinatura da REGA, até hoje, pois os braços da marca são muito bons, alguns são mesmo excelentes e utilizados por muitos construtores reputados.

Com esta análise compreende-se que o Planar 2 não é um brinquedo e que isto pode fazer música...

O REGA é a evolução (ideológica) do Garrard 301, ou seja, o pragmatismo Inglês, a simplicidade e a malícia inventiva.

Se permitem a comparação, o G301 é um cosido à portuguesa, o Planar 2 é uma salada de tomates. Um é bom no inverno com um tinto e o outro no Verão com um Rosado fresco, mas são verdadeiramente as faces opostas de uma mesma moeda… Um é um grande gira-discos, o outro é um pequeno gira, mas um grande produto.


Vantagens


Musicalmente, fora o braço não há muito a dizer. A massa pequena e a construção média, não lhe permite competir e ter vantagens em relação aos outros modelos já citados. Mas a sua simplicidade, a ausência de ajustes e a fiabilidade são pontos positivos.


Inconvenientes

O pequeno peso do Planar 2, e a ausência de suspensão, faz com que ele seja muito sensível às vibrações. É preferível metê-lo num móvel de parede que num móvel de chão, com os outros aparelhos. O motor pouco potente pode vibrar no arranque, é preferível ajudá-lo rodando o prato à mão.


Escuta


A principal qualidade do Planar 2 é a leveza. O som é limpo, audível, com uma boa dinâmica nos médios. A banda é curta no grave, mas apresenta uma fineza inesperada nos agudos. A qualidade do braço RB200 é a grande causa disto. Finalmente, é um gira-discos simpático, com um som de qualidade e que privilegia a luz, a vida e a frescura.

Não é um grande gira-discos intelectual, mas não foi feito para isso.

O REGA não faz tudo, mas o que faz, é bem feito e de uma maneira muito pessoal. Para sobreviver 33 anos, esta última qualidade é essencial.



Nota final

As fotos foram feitas pelo autor, e são as do Planar 2 dos anos setenta que foi emprestado para fazer esta crónica.



Próximo artigo:


Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.