Vozes: Marcelo Caetano

Separadores primários

Imagem: 
Imagem de Marcelo Caetano

Marcelo Caetano (1906-1980)

Político, professor e historiador, licenciou-se em Direito, na Universidade de Lisboa, e doutorou-se em 1931.

Foi um homem notável, marcando uma geração de professores e políticos. Durante a sua vida passou por vários cargos governativos, mas tornou-se conhecido do público em geral, quando, em 1968, na altura do afastamento de Salazar, foi nomeado Presidente do Conselho de Ministros, cargo que ocupou até 1974, tendo sido deposto com o 25 de Abril.

Contudo, os seus méritos de intelectual e professor de Direito não são apagados pelo seu desempenho político e governativo. Foi o fundador do moderno Direito Administrativo Português, cuja disciplina sistematizou e ordenou; influenciou várias gerações de juristas e de governantes, no modo de pensar uma Administração Pública legal e sujeita ao contencioso.

Foi professor de Direito Constitucional e também aqui deixou a mesma influência nos vindouros (estudaram-se, pela primeira vez sob um ponto de vista jurídico e sistemático, os problemas dos fins e funções do Estado, da legitimidade dos governantes, dos sistemas de governo, etc.).

Foi ainda um historiador de Direito de méritos pouco igualados, designadamente, da Idade Média portuguesa; os seus estudos sobre as cortes de 1254 e de 1385 continuam ímpares. Aliás, o seu passatempo de historiador revela-se em cada manual das disciplinas dogmáticas em que são constantes as referências históricas e eruditas sobre cada assunto.

Morreu pouco tempo antes de ser publicado o I volume (e único) da sua História do Direito Português, sem desejos de regressar jamais a Portugal no exílio no Brasil, depois da Revolução dos Cravos que lhe retirou os direitos à totalidade da pensão de reforma.

Marcelo Caetano usou bem a rádio e a televisão. Foram célebres as suas "Conversas em Família".

Caetano achava que era importante conversar com o povo, contar-lhe os factos, os seus factos, e desfazer boatos.

O regime estava já muito fragilizado quer pelas pressões internacionais, quer pelo agravamento da situação nas colónias e, principalmente, pelo mal estar interno que se fazia sentir nomeadamente nas chefias do exército

Comentários

Um grande homem, de uma invulgar intelectualidade. Pena desde o 25 de abril de 1974, nunca mais ter havido mais ninguem á altura. E estamos melhor? Não, temos sido roubados, pilhados, aldrabados, por todos os politicos que se dizem socialistas, comunistas, marxistas, e toda a especie de politicas de galinheiros. O Exmo Dr Salazar e Dr Marcelo Caetano tinham razão. O poder caiu á rua..... ou melhor dizendo na sargeta ou na retrete...È um nojo ligar a televisão e ver estes politicos modernos, que não tem onde cair mortos...


Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.