Diversos

História da rádio do Porto contada às novas gerações (I)

Como eu gostaria de ser folhetinista como o grande escritor Camilo Castelo Branco, sigo a sua estratégia e escrevo aqui uma espécie de folhetim sobre a vida da rádio no Porto. Previno que nem tudo o que vou dizer em episódios sucessivos é absolutamente verdade, pois me permito a faceta do escritor que escreve um romance histórico. Falarei de pessoas, episódios e estruturas, esperando que gostem.

Fotos: 
Imagem: 
História da rádio do Porto contada às novas gerações

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (parte 2)

Álvaro Andrade, também funcionário da Emissora Nacional e chefe de redação em Rádio Semanal à época, desempenhou o papel de crítico do cronista. Não seria melhor ele pedir aumento de salário diretamente ao presidente da Emissora Nacional?

Fotos: 
Imagem: 
Álvaro Andrade
Álvaro Andrade
Álvaro Andrade
Álvaro Andrade
Álvaro Andrade
Álvaro Andrade

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (parte 1)

Álvaro de Andrade ( Álvaro Jorge Vaz Ferreira de Andrade, 1894-1976) foi jornalista, radialista e homem de teatro. Ele começou a sua atividade de jornalista no Século. À volta de 1920, entrou para o Diário de Lisboa como secretário da redação, passando a chefe de redação, função que exerceria ainda no Diário da Manhã, no Jornal do Comércio e das Colónias e nas revistas Ilustração, Notícias Ilustrado, Vida Mundial Ilustrada, O Cartaz e Hoje. Por questões de necessidade política, também dirigiu A Bola em 1945 (os seus diretores não podiam assumir a função por problemas políticos).

Fotos: 
Imagem: 
Foto de Álvaro de Andrade
Foto de Álvaro de Andrade
Foto de Álvaro de Andrade
Foto de Álvaro de Andrade
Foto de Álvaro de Andrade
Foto de Álvaro de Andrade

O massacre de Munique em 1972 e o seu reflexo na rádio portuguesa

Em 7 de setembro de 1972, dois programas da Rádio Renascença eram suspensos. De produtores independentes, José Manuel Nunes e Adelino Gomes dirigiam Página 1 (19:30 às 21:00) e João Paulo Guerra era o responsável por Tempo ZIP (00:00 às 3:00). No começo da década de 1970, parte da programação da Renascença destacara-se pela sua qualidade, recordando ainda o programa 23ª Hora, que vinha de 1959 e se tornara uma referência com João Martins e batia a concorrência de Rádio Clube Português à noite.

Fotos: 
Imagem: 
Diário Popular de 7 de setembro de 1972
Diário Popular de 13 de dezembro de 1973

Elemento para uma história da rádio do império

Em 1968, programas da rádio portuguesa estendiam-se às então colónias africanas. Aqui, estão dois casos. Um deles é A Voz do Casa Pia, de Rádio Peninsular para Rádio Clube de Angola, Rádio Clube de Moçambique e Emissora Oficial da Guiné Portuguesa, atual Guiné Bissau. Foi nesse programa que Aurélio Carlos Moreira se estreou na rádio, há já 61 anos. Então, a Casa Pia recolhia crianças órfãs e abandonadas e dava-lhes formação; hoje, a sua missão é a promoção dos direitos e a proteção das crianças e dos jovens.

Fotos: 
Imagem: 
Diário Popular de 8 de outubro de 1968
Diário Popular de 20 de outubro de 1968Outro recorte de jornal

Música ao vivo e música gravada na rádio

No seu livro, Crisell (2012) interroga-se: a rádio nasceu para transmitir música ao vivo ou música gravada? Ora, estão aqui dois eixos estruturantes da rádio musical. E o autor distingue os programas em direto e os registos feitos pelas próprias estações, que incluíam gravações comerciais, como os discos de gramofone.

Fotos: 
Imagem: 
Andrew Crisell

Indústrias culturais no Estado Novo: o caso da música ligeira

A 2 de março de 2015, a minha aula de Indústrias Culturais e Criativas foi preenchida com um convidado que tem trabalhado a intersecção de indústrias culturais e Estado Novo: Pedro Russo Moreira. A sua tese de doutoramento, “Cantando espalharei por toda parte”: programação, produção musical e o “aportuguesamento” da “música ligeira” na Emissora Nacional de Radiodifusão (1934-1949), trabalhou as indústrias da música no Estado Novo (disco, edição de partituras e rádio).

Fotos: 
Imagem: 
Irmãs Meireles

Rever datas da história da rádio

E se eu atrasasse o começo da história da rádio em Portugal para 1923 (e não 1924) e o começo das emissões regulares da Emissora Nacional para bastantes meses antes de agosto de 1935? Não seria mais confortável para a ideia de modernidade tecnológica da rádio no país? O artigo do Diário de Notícias de 27 de fevereiro de 1929 refere que CT1AA começou a emitir experimentalmente em 1923, um documento (cópia) indica que CT1AB começou a experimentar emissões de rádio em 1924.

Fotos: 
Imagem: 
Artigo do Diário de Notícias de 27 de fevereiro de 1929
Joaquim Dias Melo
Diário de Notícias de 21 de janeiro de 1935
Diário de Notícias de 6 de janeiro de 1935

Hora da Saudade

Primeiro, chamou-se Meia Hora da Saudade, passando a intitular-se Hora da Saudade, pelo êxito tido. As emissões começariam em 1936, de início orientada para imigrantes portugueses nas colónias em África e, depois, para pescadores do bacalhau no mar frio do Atlântico Norte e para os soldados durante o período da guerra colonial (1961 em diante).

Fotos: 
Imagem: 
Hora da saudade
Borges de Carvalho

Rádio Clube da Huíla

Em Angola, o movimento de rádios era forte ao longo da década de 1950. Para debater problemas organizativos dessas estações, Rádio Clube da Huíla (em Sá da Bandeira, atual Lubango) promoveu um encontro nacional de rádios clubes. O Jornal de Notícias (Porto) deu eco dos preparativos dessa reunião (10 de maio de 1957).

Fotos: 
Imagem: 
Rádio Clube da Huíla

Páginas