Dona Rosa, chegou a sua filha!

Separadores primários

Na década de 30 e 40, em Portugal, os postos de rádio eram muito experimentais, fruto das limitações técnicas e do amadorismo reinante.

Dada a forma amadorística como tudo era feito, popularmente eram conhecidos como "minhocas", sendo vários os exemplos no cinema português da importância da rádio nesses anos, com descrições mais ou menos caricatas, mas muito próximas da realidade.

"O pátio das cantigas" é um desses exemplos. O "engenhocas" é um entusiasta da rádio, levando muito a sério o seu empenho em transmitir música para os vizinhos do bairro.

Neste excerto trava-se uma corrida entre os vários meios de comunicação; quem conseguirá avisar a D. Rosa da chegada da sua filha, do Brasil? O telefone, o telegrama, a telefonia e, até mesmo um pombo correio!

No filme todos ganharam, mas, tantos anos depois, todos sabemos que foi a rádio a verdadeira vencedora.

"O pátio das cantigas" estreou a 23 de Janeiro de 1942 no cinema Éden.

Argumento:

No Pátio do Evaristo, morava a Srª Rosa que tinha dois pretendentes, Narciso que bebia para afogar as suas mágoas e o Evaristo droguista, pessoa de génio agreste, pai da menina Celeste aspirante a pianista, patrão do João Magrinho, caixeiro da drogaria, e do Alfredo, que morria de amores por uma vizinha. A mesma que namorava o irmão, o Carlos Bonito, a Amália que era uma artista bonita mas leviana, bem diferente da irmã, a recatada Susana.

O avô das raparigas, o Sr. Heitor morava por baixo do Engenhocas, que transmitia as cantigas que todo o pátio cantava. Na casa ao lado, vivia um russo, o Borisdonove, a Sr.ª Margarida, e em baixo no rés-do-chão os irmão Marx, Arnesto, Vicente e Sebastião. Falta ainda a Maria da Graça com o seu claro sorriso, que até faz perder o tino ao rebento do Narciso, o grave Rufino Fino.


Intérpretes:
Maria das Neves - D. Rosa
Vasco Santana - Narciso
António Silva - Evaristo
António Vilar - Carlos Bonito
Ribeirinho - Rufino
Laura Alves - Celeste
Maria Paula - Amália
Graça Maria - Susana
Carlos Otero -Alfredo
Maria da Graça - Maria da Graça
Barroso Lopes - João Magrinho
Carlos Alves - Engenhocas
e ainda: João Silva; Armando Machado, Reginaldo Duarte; Regina Montenegro; Eliezer Kamenesky...

Realização - Francisco Ribeiro
Produção - António Lopes Ribeiro
Argumento e diálogos - Vasco Santana, Ribeirinho e António Lopes Ribeiro
Fotografia - J. César de Sá
Música - Frederico Freitas

Faça um donativo!

Faça um donativo!

Agora é mais fácil com Paypal!

Com o paypal.me pode contribuir para o site em qualquer moeda e em qualquer valor com a segurança desta plataforma.

Clique aqui para ajudar com o que quiser, com o que poder.