O blogue de Rutra1

Verdades!

Verdades !
Quem é que da vida não tem algo para contar ? "E refiro-me a factos concretos que a radio proporcionara" nem que seja comentar em jeito de resumo, porque recordar tudo, quando a memória já não permite, que resta além dessa boa vontade em tentar "pelo menos" bons bocados, tal como amigos, ou nem sendo, sim porque quem não teve de tudo um pouco?

Se viver é recordar, que é isto ?

Pessoas que bem conhecidas, não fazem, ou nunca fizeram a mínima ideia do imenso trabalho, sem falar em canseiras, dores de cabeça, compromissos, responsabilidades e despesas, para inicialmente colocar e manter no ar, uma emissão de radio, se nem é menos verdade em épocas não muito distantes "ou ainda actualmente?" bastar possuir uns €€€€, e adquirir numa das imensas casas da especialidade um equipamento, instalar a antena já previamente adaptada onde ligará um coaxial ao emissor e pouco mais, mas temos que recuar muitos anos para atribuir o valor a quem o merece com justiça.

Ás costas

Decorria o ano de 1969, acabado de ser admitido ao serviço da ENR vindo da Grundig/Braga, onde por diversos factores o micróbio se manifestara e com que actividade "porque proibido" era mais apetecido, e lá ia eu só á noite, quando sabia serem reduzidos, ou mesmo nulos os mirones, arrastando e carregando ás costas serra acima além do equipamento de 2 metros, um pequeno gravador, a antena, 3 cassetes, a bateria para alimentar o pequeno emissor modulado em frequençia que dessipava cerca de 3 Wats, tudo construção caseira, fazendo com que fosse ouvido nos Carvalhos, mais própriamente no Perosinho, onde um amigo que entretanto o pusera de sentinela alerta, me informava via 2 metros das condições da referida emissão "apenas música", folclore, com o objectivo de melhor se identificar.

Páginas